terça-feira, 20 de outubro de 2015

O "Tombão"

Artur trabalhava naquela pequena Fábrica como funcionário terceirizado fazia quase 2 anos, contratado, na realidade, por uma Empresa Multinacional. Sendo o único analista de TI do local, era considerado o "faz tudo" da fábrica. Algum problema para acessar o e-mail? Chama o Artur! O computador não quer ligar? O Artur deve saber como resolver isso. Faltou energia na cidade? Pergunta ao Artur quanto tempo vai demorar para voltar ao normal...

A rotina de trabalho de Artur era, portanto, bastante agitada, de modo que ele passava o dia apagando  os "incêndios" que surgiam nos vários setores da empresa. Sobe as escadas, desce as escadas, segue pelo corredor, vai até a área de produção, volta à sua sala. Novos problemas exigiam novas soluções, mas como a maior parte deles era reincidente, sentia que as coisas permaneciam razoavelmente sob controle.

Porém, naquelas idas e vindas sempre apressadas, os degraus das escadas se tornaram, aos poucos, suas velhas conhecidas. Aos poucos foi ganhando uma confiança crescente naquelas subidas e descidas e aumentando cada vez mais a velocidade para percorrer aqueles degraus, fosse subindo ou descendo. Até porque quanto menos tempo levasse para alcançar os locais onde estavam os problemas, mais rápido poderia solucioná-los.

Ocorre que chegou o dia em que suas pernas, tão confiantes com os degraus do caminho, pregaram-lhe uma peça sem o seu consentimento. A perna direita disputou corrida contra a perna esquerda que, para não ficar atrás, aceitou o desafio. Conseguida a ultrapassagem da perna esquerda sobre a direita, a corrida terminou com o desequilíbrio e, consequentemente, uma drástica queda de Artur, já próximo ao pavimento superior. Com a queda, Artur acabou rolando do topo até a base da escada e, no meio da confusão, foi premiado com hematomas e escoriações por todo o corpo, além de uma fratura no braço esquerdo.

Foi prontamente socorrido e encaminhado ao hospital mais próximo. Enquadrado como um acidente de trabalho, foi necessário efetuar todos os registros prescritos nas Normas Regulamentadoras de Segurança do Trabalho. Por fim, recebeu um atestado médico solicitando 15 dias de repouso das atividades laborais.

Para Artur, aqueles 15 dias foram longos e entediantes, já que estava tão habituado a estar sempre correndo para cima e para baixo, literalmente. Ao retornar ao trabalho, retomou a velha rotina de idas e vindas até os focos de "incêndio tecnológico". E, para a sua surpresa, ao se aproximar novamente da escadaria onde havia acontecido o acidente, observou que a Fábrica, como medida preventiva, não precisou reformar a escadaria nem fazer grandes alterações. Apenas foi afixado um cartaz com os seguintes dizeres, em letras cômicas:


"Ei, amigão!
Use o corrimão!
Porque senão 
Você pode levar um tombão!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário