quarta-feira, 16 de julho de 2014

Quem paga o presente?

Naquele dia das mães, Dona Fátima se sentia especialmente feliz, ainda que não soubesse o motivo. Passou a manhã na cozinha preparando os pratos para o almoço com seus quatro filhos, que iriam visitá-la e presenteá-la como de costume, acompanhados dos genros, noras e netos. Os ingredientes usados eram bastante simples, assim como sua casa e seus móveis.
Em toda a sua vida, Dona Fátima havia enfrentado inúmeras dificuldades, tanto para conseguir trabalho, tendo em vista seu nível de escolaridade restrito ao nível fundamental, como para gerenciar a educação de seus quatro filhos sem o pai, que a havia abandonado e mudado de Estado, com quem o único contato que mantinha era através do depósito bancário da pensão alimentícia determinada pela Justiça.
Naquele ano os filhos de Dona Fátima, duas moças e dois rapazes, haviam decidido presenteá-la de uma maneira um pouco mais requintada e, assim, compraram uma nova TV para ela. Ao fazer a entrega da caixa, que estava toda enfeitada com laços e papel presente, todos os filhos abraçaram Dona Fátima, que se emocionou com tamanha surpresa. No final daquele dia das mães, os filhos deixaram a casa de Dona Fátima com a TV já devidamente instalada e em funcionamento.
Depois os dias foram passando e Dona Fátima e seus filhos haviam retornado ao dia-a-dia de suas famílias e seus trabalhos. Até que chegou o fim do mês e, com ele, os envelopes contendo as faturas de água, energia, telefone, aluguel e cartão de crédito. Neste último, Dona Fátima estranhou o valor que apareceu e foi conferir o descritivo para identificar o que havia acontecido para dobrar o valor que ela costumava pagar.
Ao ver que se tratava da compra de uma TV, Dona Fátima ligou para sua filha mais velha para questionar o que havia acontecido. Ela explicou que, como nenhum dos filhos possuía um cartão de crédito aceito pela loja, eles usaram o cartão dela para fazer a compra, mas que as 10 parcelas seriam pagas por eles. Então Dona Fátima ficou tranquila e pediu para que o valor da prestação fosse entregue a ela até a véspera da data de pagamento da fatura do cartão.
Porém, chegou o dia combinado e Dona Fátima ainda não tinha visto a cor do dinheiro da parcela. Tentou falar mais uma vez com a filha mais velha, mas ela não atendeu nem retornou as chamadas. Tentou falar com os outros filhos e... nada! Ninguém voltou a falar com Dona Fátima, que se viu obrigada a arcar com aquela despesa extra para evitar as complicações do não pagamento da fatura.
O resultado é que os filhos, que haviam se comprometido a pagar as 10 parcelas da nova TV, não conseguiram organizar suas finanças e não pagaram aquela parcela. "E, se não pagaram a primeira parcela, o que seria das demais?" - pensou Dona Fátima, que tentou cancelar a compra e devolver a TV, mas não foi possível porque o prazo estava expirado. E assim Dona Fátima teve que passar os 10 meses seguintes economizando mais do que ela já estava habituada para poder pagar pelo presente que recebeu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário